Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
A Criada Zerlina

A Criada Zerlina

Teatro & Arte | Teatro

TAGV

Auditório
Classificação Etária
Maiores de 12 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2019
mar
08
Realizado

Duração

90 minutos

Intervalo

Sem Intervalo.

Promotor

Universidade de Coimbra - Teatro Académico de Gil Vicente

Sinopse

Um triângulo amoroso, pautado pelo desejo e pelo mistério. É esta a história que Zerlina, a criada, conta ao senhor A., a história de como, apesar do seu casamento com o juiz conselheiro, a baronesa Elvira se envolveu com o senhor de Juna, e de como, numa estranha oscilação entre a inveja o desejo, também Zerlina decidiu conquistar o mesmo homem, vendo-se este perante as atribulações de ter de se livrar da mulher para satisfazer os caprichos das duas amantes.

Produção

Produção executiva Nuno Pratas

Ficha Artística

A partir de Hermann Broch
Versão de António S. Ribeiro com a colaboração José Ribeiro da Fonte
A partir da tradução de Susana Muñoz
Cenografia Pedro Cabrita Reis
Interpretação Luísa Cruz
Desenho de Luz Nuno Meira
Sonoplastia Sérgio Milhano

Notas Suplementares

Não se pode fazer bom teatro sobre alguma coisa. Só se pode fazer bom teatro com algumas belas coisas. Um texto sublime sobre a mais bela e terrível história de amor, uma bela e prodigiosa atriz que transformará em verdade o intenso monólogo da velha criada Zerlina, um magnífico canapé onde o senhor A. está no meio de um amontoado de móveis, a estender os seus inquietos pensamentos, a falar pouco e a ouvir muito, numa tarde quente de um domingo de verão, uma sala negra, íntima, uma janela alta com gelosias corridas que apenas deixa passar um pequeno raio de luz para ferir a obscuridade onde a revelação e o triunfo do texto devem acontecer. Tudo isto me oferecem.
A filosofia de um cineasta reside na luz, nas sombras, no enquadramento, na direção dos atores. Mas, aqui, o enquadramento está já decidido (o teatro acontece sempre em plano geral). Restam-me a luz, as sombras e a comunhão com a maravilhosa Luísa Cruz. O que não é pouco.
João Botelho

Encenador

João Botelho

Informações Adicionais

Espetáculo integrado na 21ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra

Pontos de Referência

Praça da República

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda: