Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Programação Convergente—Anozero’19— Jaime + Rosa de Areia

Programação Convergente—Anozero’19— Jaime + Rosa de Areia

Teatro & Arte | Cinema

TAGV

Auditório
Classificação Etária
Maiores de 12 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2019
dez
06
Realizado

Duração

120 minutos

Intervalo

Sem Intervalo.

Promotor

Universidade de Coimbra - Teatro Académico de Gil Vicente

Sinopse

Jaime (1974) Curta-metragem/Documentário, 40 min
É um documentário que retrata a vida do doente mental Jaime Fernandes, internado no hospital psiquiátrico Miguel Bombarda, em Lisboa. Como experiência, é um dos filmes marcantes do Novo Cinema.
+
Rosa de Areia (1989), 1h20
É o último filme de António Reis, concluído cerca de dois anos antes da sua morte. Mais uma vez, é uma peregrinação por Portugal, como lugar de mito e como lugar mítico. É a história de um homem perseguido por um tigre que caiu num poço onde outro tigre o esperava. Ou a história de um pai ressuscitado dos mortos para dar de beber à filha um vinho feito de sol, de poeiras e de chuva.

Notas Suplementares

Programação Convergente Anozero19 Bienal de Coimbra Organização em parceria Anozero19 Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, TAGV, Colégio das Artes, Leopardo Filmes Curadoria Luísa Lopes Apoio Cinemateca Portuguesa

Realizador

António Reis, Margarida Cordeiro

Programa / Cartaz

O cinema, o tempo, as margens. Na programação convergente do Anozero, a programação de cinema conduz-se por uma relação estreita com o tema da bienal e a(s) sua(s) sensibilidade(s).
Estamos na margem que vai do sortilégio de um filme ao encantamento que transporta o espectador para um mundo que dura, todo, o tempo do filme. Encontra-se uma aura que pode conduzir ao profundamente sagrado, inscrito no tempo.
Convida-se quem está, quem vê, a deixar levar-se pelas imagens, mais do que na procura de uma narrativa que pode não existir.
Paisagens, imagens, fotogramas, em que podemos precisar de tempo para os seus sentidos/texturas sedimentarem entre as longas margens da nossa sensibilidade.
Nesta proposta de programação, quer-se também mostrar e experienciar a arte cinematográfica na evolução das diferentes formas de visualizar e ouvir a obra fílmica.
Nestes dois intensos dias, nomes singulares de uma filmografia sublime estarão a preencher toda a nossa tela de uma imensa beleza.
Assim, nesta bienal, começa por se evocar a obra magistral de António Reis e Margarida Cordeiro, para os seus filmes escondidos poderem ser vistos em sala (Jaime, Trás-os-Montes, Ana e Rosa de Areia).
Além desta dupla ímpar do cinema de autor, teremos outros nomes excecionais do cinema mundial: Buster Keaton (Marinheiro de Água Doce); Roberto Rossellini (Stromboli); Jean-Luc Godard (A Nossa Música); e, no final, um filme concerto A Casa na Praça Trubnaia de Boris Barnet, musicado com uma versão dos Mão Morta Redux.

Pontos de Referência

Praça da República

-
Partilhar

Serviços Adicionais

Veja ainda: